Há uma infinidade de recursos didáticos e de formulações de regras todos com o intuito de ensinar usuários da língua portuguesa a usar a chamada crase, ou seja, a contração entre a preposição 'a' e determinadas outras palavras, como o artigo definido feminino. O presente artigo propõe uma estratégia a mais simples possível para o domínio desse fenômeno, sem deixar de tentar contribuir para uma consciência mais clara e consistente acerca da língua.


Acho que a maioria dos brasileiros, incluindo professores e autores de gramáticas, complicam demais uma coisa simples como o uso da chamada crase.



Ajudaria muito, creio, se todo mundo pensasse o seguinte: algum falante nativo do português tem dúvida, por exemplo, quando usa DE e quando usa DA ou DAS? Não se diz 'Venho DE loja', mas 'Venho DA loja'. Nem 'Esqueceu DE malas', mas 'Esqueceu DAS malas'. Casos equivalentes são os contrastes entre EM e NA(S), bem como entre POR e PELA(S). Você cometeria o erro de dizer 'Coloque o leite EM geladeira', em vez de '[...] NA geladeira'? Ou 'Vá POR sombra', em vez de '[...] PELA sombra'?



Quem não comete erros nem tem dúvidas a respeito de casos como esses tem plenas condições de colocar um acento grave nas palavras 'A' ou 'AS' em casos como: 'ir A praia', 'referir-se A discussão', 'corresponder AS especificações'... A única diferença entre esses casos e os outros é que, nestes, costuma haver uma coincidência entre a pronúncia do artigo definido feminino (A) e a pronúncia da contração dele com a preposição A. Ou seja, enquanto há uma clara diferença de pronúncia entre EM e NA, entre DE e DA e entre POR e PELA, raramente se distingue oralmente A e À. A diferença costuma se restringir à escrita.



É importante acrescentar que certas preposições se contraem não apenas com artigos, mas por exemplo com as palavras tradicionalmente chamadas de pronomes demonstrativos: DE+ESSE(S)=DESSE(S), EM+ISSO=NISSO, DE+AQUELE(S)=DAQUELE(S), EM+AQUILO=NAQUILO, A+AQUILO=ÀQUILO, A+AQUELE(S)=ÀQUELE(S), A+AQUELA(S)=ÀQUELA(S). Também aqui, a diferença entre demonstrativo sozinho e demonstrativo contraído com a preposição 'a' costuma ser apenas escrita. E é simplesmente essa particularidade das contrações com a preposição 'a' que faz que recebam um nome específico. Esse tipo de contração costuma se chamar 'crase'.



Pronto, essa é toda a teoria da "misteriosa" crase. O resto é consequência e comentário, embora muitas vezes se insista em enfiar, na explicação sobre a grafia de uma mera contração, comentários - travestidos de regras - a respeito do uso da preposição A. Na verdade, isso já é outra coisa.



Quando se usa ou não a preposição DE? Diz-se, por exemplo, 'Gosto DE alguém' e não 'Gosto alguém'. E a preposição POR? Diz-se 'Torço POR você' ou 'Torço você'? Pode ser uma ou outra forma, dependendo do sentido, ou seja, dependendo da relação afetiva entre o emissor e o interlocutor da frase. E, finalmente, quando se usa a preposição A? Um exemplo claro é 'referir-se A algo' e 'corresponder A algo'.



Há exemplos confusos? Sim, mas não só em torno desta preposição, mas de outras, como na variação entre 'passar dificuldades' e 'passar POR dificuldades' ou entre 'namorar alguém' e 'namorar COM alguém'. Além das variações, há também casos de expressões fixas em que se usa espontaneamente uma preposição com ou sem artigo sem que o usuário precise dar ou conhecer explicações para isso. Por que se diz 'DE quebra' e não 'DA quebra'? Por que se diz 'NO duro' e não 'EM duro'? Explicações para isso exigem pesquisa de história da língua, algo que pode ser útil e interessante para certos propósitos, mas nunca necessário para simplesmente usar a língua. Por que então quebrar a cabeça considerando como parte de uma suposta teoria da presença ou ausência de crase a listagem de expressões como 'às vezes', 'à medida que', 'às cegas', 'assistir à novela', 'chegar a casa', 'cara a cara' e tantas outras? Julgo mais adequado lembrar simplesmente que 'a' é uma preposição, assim como o são 'de', 'em', 'com'... e que as línguas são dinâmicas e imprecisas.



Em geral, a confusão sobre o uso de preposições ou de outras palavras ou construções pode se basear, em certos casos, em uma dúvida mais profunda sobre a estrutura da língua ou sobre o conhecimento do mundo concreto. No entanto, muitas dúvidas dizem respeito meramente a que palavra ou construção é dotada de menos ou mais prestígio social ou é menos ou mais formal, ou, ainda, menos ou mais antiga. E há casos em que se pode simplesmente escolher uma ou outra opção, sem consequências significativas para o modo de seu texto oral ou escrito ser interpretado. Discernir cada caso requer larga experiência com situações filtradas pela linguagem ou feitas dela, quer de forma oral quer escrita.



Copyright ProZ.com, 1999-2006. All rights reserved.


ProZ.com - https://wiki.proz.com/translation-articles
Da crase às preposições, artigos e demonstrativos
https://wiki.proz.com/translation-articles/articles/3391/1/Da-crase-%C3%A0s-preposi%C3%A7%C3%B5es%2C-artigos-e-demonstrativos
Author: C. Daniel Andrade (X)
Brazil
English to Portuguese translator
http://proz.com/pro/1401212 
By C. Daniel Andrade (X)
Published on 10/24/2011
X
Sign in to your ProZ.com account...
Username:
Password:




Your current localization setting

English

Select a language

All of ProZ.com
  • All of ProZ.com
  • Term search
  • Jobs
  • Forums
  • Multiple search